Por que ter um website?

Publicado em por Amandina Morbeck em Mundo digital
Por que ter um webstie? Porque ainda é a forma mais efetiva de comunicação com o mundo.

Websites ainda são a forma mais efetiva de comunicação com o mundo – Imagem: AdobeStock.

Com o surgimento das mídias sociais e principalmente com o crescimento do Facebook como referência, empresas, profissionais liberais, artistas, autônomos etc., começaram a se perguntar por que ter um website se podem publicar qualquer coisa nesses canais, de graça e para um monte de pessoas de uma vez.

Costumo dizer que quem precisa divulgar seu trabalho, seu produto, sua história, sua produção, suas imagens, suas realizações etc. e confia apenas nas mídias sociais está ferrado. Porque por mais auê, curtições e compartilhamentos que publicações nesses canais possam gerar, ele geralmente é momentâneo e logo surge algo novo para tirar a atenção das pessoas porque um novo fato precisa acontecer para a vida seguir em frente e um tanto de gente ganhar dinheiro em cima de cliques e de comentários.

Já um website, não. Certamente que ele precisa ser feito cuidadosamente, requer manutenção e atualizações, mas sua função é mais permanente e pode ser encontrado e acessado de qualquer lugar do planeta e direcionar o internauta para aquilo que ele realmente está buscando, em vez de apresentar a ele uma página como a do Facebook, com publicações em ordem cronológica que pouca gente tem paciência para ficar olhando de trás para frente para achar alguma informação.

Independentemente do seu tamanho, olhe para os grandes

Essa é a máxima que sigo quando trabalho faço meu trabalho, seja ele no mundo físico ou digital. Se website não fosse importante, empresas como Coca-Cola (http://www.coca-colacompany.com/), Ferrari (http://www.ferrari.com/pt_br/), Souza Cruz (http://www.souzacruz.com.br/), Museu do Futebol (http://www.museudofutebol.org.br/), Louvre (http://www.louvre.fr/), governo como a Casa Branca (https://www.whitehouse.gov/) ou um artista como Elton John (http://www.eltonjohn.com/), entre tantos outros exemplos, deixariam de ter website. Afinal, eles têm milhões de curtidores ou de seguidores em mídias sociais.

Mas não funciona dessa forma e a questão é bem simples: sem website não é possível, pelo menos, tentar um bom posicionamento nas ferramentas de busca, principalmente no Google, a maior de todas. Sem website não tem como publicar de forma organizada. Sem website não é possível apresentar todas as características de um trabalho, de um produto, de um show, de um projeto etc. Será que simplesmente informar o link de uma página ou de um perfil no Facebook tem a mesma relevância de um website?

Informações claras e fáceis de ser encontradas

Com um website é possível entregar todas as informações organizadas para o internauta – itens de menu podem variar, claro, mas basicamente se ele quer saber sobre a empresa, o artista, o ateliê etc., ele encontra a(s) página(s) sobre isso. Se ele quer ver o que saiu na mídia, lá estão os links para as publicações. Se ele quer ver fotos do estabelecimento ou do produto, elas estão a um clique e por aí vai.

Não importa se o público-alvo está a 10 km ou do outro lado do planeta, qualquer pessoa com acesso à internet pode navegar num website – seja numa busca orgânica ou porque recebeu o link -, basta que ele esteja no ar.

Só ter um website não significa bom posicionamento nas buscas

 

Google, a ferramenta de busca mais importante da internet - Imagem: Reprodução.

Google, a ferramenta de busca mais importante da internet – Imagem: Reprodução.

É importante também compreender o que significa ter bom posicionamento nas ferramentas de busca, como Bing, Yahoo e Google, a mais importante delas.

Quando falamos que um website aparece na primeira página numa busca orgânica – que é a busca natural, não paga, fora dos links patrocinados –, isso significa uma grande vantagem sobre os concorrentes, pois quanto mais “alto” (primeiro lugar, segundo lugar, terceiro lugar etc.) o link aparece, maior a chance de o internauta clicar nele e não voltar à busca inicial se encontrar o que procura naquele primeiro clique.

Para isso, porém, não basta simplesmente colocar o website no ar e esquecê-lo. Inicialmente, é preciso otimizá-lo em cada página criada, em cada post publicado. Naturalmente que é impossível fazer com que todas as palavras-chaves sejam incluídas e ele possa ser trazido pelo Google a cada nova busca que alguém faz, mas quanto mais “redondinhas” forem as publicações, melhor, com mais possibilidade de ele ser reconhecido como relevante nas buscas, melhorando seu posicionamento.

Trabalhar palavras-chaves em qualquer publicação é muito importante.

Mídias sociais como complemento

As mídias sociais são parceiras importantes nos dias de hoje, mas devem ser vistas como complemento e não como começo, meio e fim em qualquer planejamento para estabelecer uma marca, um nome ou um negócio no mundo virtual.

É necessário um “trabalho de formiguinha”, que envolve o cuidado com tudo o que é divulgado no meio digital e também o de manter um website. Como comentei anteriormente, não basta apenas colocá-lo no ar. Revisão de língua portuguesa, atualizações, novas publicações de posts, backups, gerenciamento de problemas que surgem (dos mais simples aos mais complexos, como invasão e bugs, por exemplo), avaliações em relação ao posicionamento do website, acompanhamento das informações trazidas pelo Google Analytics e pelo Google Search Console, verificação de links quebrados, entre tantos outros aspectos, exigem tempo e dedicação. Se o proprietário do website não tem tempo ou equipe para fazer esse gerenciamento, pode contratar um bom profissional para isso.

Mídias sociais são importantes como apoio à divulgação - Imagem: Adobe Stock.

Mídias sociais são importantes como apoio à divulgação – Imagem: Adobe Stock.

Sem contar que ter um monte de curtidores ou de seguidores não significa que essas pessoas estão realmente lendo ou assistindo o que está sendo publicado. Engajamento em mídias sociais é um ponto nevrálgico. Basta ver quantas pessoas, percentualmente, curtem cada post ou cada imagem. De repente, uma página com 200 mil curtidores tem mil curtidas, em média, naquilo que publica, o que representa 0,5%. Quão importante é isso? É preciso avaliar seriamente cada postagem.

Como os websites são criados?

Eles podem ser criados do zero, contratando um webdesigner para fazer tudo por meio de programação específica e absolutamente personalizados, ou personalizados a partir de templates semiprontos em plataformas como WordPress e Joomla, por exemplo. Naturalmente que o primeiro caso custará muito mais ao contratante.

No meu caso, trabalho com templates WordPress adquiridos de fornecedores que divulgam seus temas em portais internacionais de venda específicos. Não utilizo templates gratuitos por alguns motivos, como a) são menos elaborados, bonitos e funcionais; b) não oferecem suporte; e c) são mais vulneráveis a invasão.

Diferença entre domínio e website

Muitas pessoas não sabem exatamente a diferença entre domínio e website, mas ela é bem simples.

Domínio é aquele nome que a pessoa cria para refletir o que quer divulgar e que pode ser precedido de “www.” ou não. Pode ser o próprio nome, o nome da empresa ou de um produto, o do negócio, do bairro, do prédio etc. e ele precisa de um complemento com ponto: .com, .org, .blog, .net, entre outros. Depois desses, geralmente vêm duas letras referentes ao país onde o domínio foi registrado. Os Estados Unidos são exceção, ou seja, lá os domínios não recebem “.us”, por exemplo: thewhitehouse.gov, apple.com etc. Já no Brasil, precisamos de acrescentar “.br”. Exemplos: amandinamorbeck.com.br, brasil.gov.br etc.

Os domínios aqui são registrados no Registro.br e custam R$ 30,00 ao ano. Nada impede, porém, que uma empresa ou uma pessoa tenha o domínio registrado em outro(s) país(s) – França: .fr, Reino Unido: .uk e por aí vai.

Depois de ter o domínio em seu nome, a pessoa ou a empresa pode optar por hospedá-lo num provedor. Para fazer isso, precisa contratar outro tipo de serviço, o de hospedagem e cujo valor varia se o plano for mensal, anual, bianual, bem como entre diferentes prestadores desse serviço. Locaweb, UOL Host, Hostgator, Hostnet e Godaddy são alguns exemplos.

Somente depois desse passo é possível criar e-mails com o domínio, como fulano@website.com.br, e também o website. Ou seja, não é possível ter website sem domínio, mas é possível ter domínio – inclusive apenas e-mail – sem website.

Por fim, o “http://”, que significa hypertext transfer protocol ou protocolo de transferência de hipertexto em língua portuguesa, e “é um protocolo de comunicação entre sistemas de informação que permite a transferência de dados entre redes de computadores, principalmente na world wide web (www ou internet)” (Fonte: https://www.significados.com.br/http/).

Conheça nosso trabalho

Espero que esse resumo tenha sido útil para que você compreenda a importância de ter um website publicado e o que está envolvido em sua criação. E já que chegou até aqui, veja nossos últimos trabalhos.

Se quiser deixar seu comentário abaixo, ele será bem-vindo. Para enviar uma mensagem para mim, clique aqui.

Até o próximo post!


 

Deixe seu comentário