Junko Tabei, a primeira mulher no topo do Monte Everest [Entrevista]

Publicado em por Amandina Morbeck em Entrevistas
Junko Tabei, a primeira mulher no topo do Monte Everest.

Junko Tabei em momento histórico no topo do mundo – Foto: Arquivo pessoal.

Essa entrevista que fiz com a japonesa Junko Tabei, a primeira mulher no topo do Monte Everest (evento que aconteceu em 16 de maio de 1975 quando ela tinha 35 anos de idade), aconteceu em 2005 (ela tinha 65 anos). Na época eu trabalhava como repórter na revista Aventura&Ação e, mensalmente, entrevistava uma mulher com destaque no mundo da aventura (no presente ou no passado). Para reprodução aqui, atualizei as informações em janeiro/2016.

Ao final da entrevista, veja como foi todo o processo até eu conseguir contatá-la e sua generosidade em compartilhar comigo – para depois ser multiplicado entre os leitores – uma parte tão importante de sua história de vida. Vamos à ela:

Amandina Morbeck: Como e quando a senhora começou escalar?
Junko Tabei: Minha primeira experiência foi um passeio para escalar uma pequena montanha de 1.900 m de altitude na minha região. Eu tinha dez anos de idade e minha professora me levou até lá com outros amigos.

AM: O que despertou seu interesse em desafiar o Everest?
JT: Em 1969, organizei o Clube de Escalada das Mulheres (Ladies Climbing Club – LCC), com expedições apenas de mulheres para conquistar montanhas no Himalaia. Inicialmente, nosso objetivo era um pico de 7.000 m de altitude e depois partimos para picos acima de 8.000 m de altitude. Expedições apenas com mulheres faz com que o desafio se torne mais equilibrado porque todas as pessoas têm condição física parecida.

AM: A senhora já era casada quando decidiu fazer parte da equipe japonesa? Já tinha filhos? Como foi a reação de seu esposo e de outros membros de sua família?
JT: Quando fui para o Annapurna III (7.555 m de altitude), em 1970, eu já estava casada, mas não tinha filhos. Minha primeira filha nasceu em 1972 e estava com três anos quando fui para o Everest. Pelo fato de meu esposo e eu termos nos conhecido por meio da escalada, ele sempre me apoiou em minhas atividades de montanhismo. Durante a expedição ao Everest ele e minha filha ficaram com a família de minha irmã.

AM: Foi muito difícil encontrar patrocinadores para esse projeto pelo fato de vocês serem mulheres?
JT: Nos anos de 1970 a economia japonesa estava sofrendo os efeitos do choque do petróleo (1972, 1973) e muitas empresas também disseram que seria impossível escalar o Everest com uma expedição formada apenas por mulheres. Assim, foi extremamente difícil encontrar patrocinadores. Por fim, uma rede de televisão e um jornal resolveram nos patrocinar.

AM: O que foi mais marcante nessa experiência no Everest? No que a senhora mudou a partir dela?
JT: Aprendi que uma pessoa não deve ir atrás de patrocinadores para fazer coisas que são de seu próprio interesse. Desde então, nunca mais procurei por isso para nenhuma escalada. É melhor não dever nada para ninguém.

AM: Como a senhora lidou com o medo que, acredito, qualquer pessoa deve sentir nesse tipo de aventura?
JT: Lidei com ele mantendo a convicção que surgiu de minha própria experiência e a confiança em minha parceira, na qual eu estava amarrada por uma corda.

AM: Quanto tempo sua equipe ficou na montanha durante a expedição?
JT: Uns dois meses desde nossa chegada ao acampamento base, em 16 de março de 1975, até chegarmos ao topo do Everest, em 16 de maio de 1975. Se acrescentarmos outros dois meses que gastamos para fazer o trekking até o acampamento base e voltarmos, temos quatro meses. Contando outros dois meses gastos para conseguirmos passar os equipamentos pela alfândega na Índia, para depois serem enviados ao Nepal, o tempo total vai para seis meses.

AM: O que a senhora sentiu quando finalmente chegou lá, no topo do mundo, a primeira mulher a fazer isso?
JT: O que veio a minha mente quando vi a geleira Lombuk do outro lado da montanha [pelo Tibet] foi: “Não preciso mais escalar”. A vista também era impressionante, com o contraste entre a dureza e as pontas das montanhas e o marrom suave das terras do Tibet. Ficamos uns 50 minutos no topo para tirar fotos e fazer o relato por rádio à líder. Não tive sentimento de felicidade, estava mais preocupada em fazer a descida de forma segura.

AM: Sua vida mudou muito desde 1975?
JT: Embora minha vida, centrada em tomar conta de um bebê de três anos de idade, não tenha mudado depois de 1975, as pessoas e o ambiente ao meu redor mudaram. Eu tive de lidar com muitos pedidos para fazer palestras e para escrever artigos.

AM: Por que a senhora não tentou escalar o Everest de novo?
JT: Por causa da quantidade de dinheiro que isso requer. Também não me sinto atraída por montanhas pavimentadas como autoestradas, com cordas fixas do acampamento base ao topo. Prefiro ir a montanhas onde nunca estive antes.

AM: Quando foi sua última visita ao Nepal?
JT: Em maio de 2003, quando houve a celebração do jubileu de ouro [para comemorar 50 anos da chegada dos primeiros escaladores ao topo do Everest, Sir Edmund Hillary e Tenzing Norgay]. Voltarei lá em outubro de 2005 para organizar a celebração do 30º aniversário da primeira conquista do Everest por mulheres.*

AM: A senhora e Sir Edmund Hillary mantêm contato?**
JT: Todos os anos eu envio cartão de Natal para ele e de vez em quando o encontro com sua esposa na Índia ou em outros lugares. Sou uma das curadoras do Himalayan Environmental Trust (HET) que Sir Edmund e outros fundaram. Trabalhamos juntos pela proteção dos Himalaias e em outros assuntos. No fechamento do International Year of the Mountain das Nações Unidas, em 2003, conversamos via satélite na televisão.

Junko Tabei, a primeira mulher no topo do Monte Everest.

Junko Tabei no acampamento base do monte Pobeda, China, 1991 – Foto: Arquivo pessoal.

AM: Por que a senhora se tornou uma ativista ambiental pela preservação das montanhas?
JT: Fiquei impressionada com o empenho de Sir Edmund Hillary, o primeiro homem no Everest [ao lado de Tenzing Norgay], em construir hospitais e escolas para a comunidade sherpa, além de sua atividade no montanhismo. Segui seus passos para trabalhar pela proteção do ambiente nas montanhas e proporcionar benefícios às comunidades nessas áreas.

AM: A senhora tem algum projeto pessoal de ajuda aos sherpas?
JT: Em 1991, fundei a ONG Himalayan Environment Trust Japan como um braço da HET. Construímos um incinerador de lixo e iniciamos uma plantação de macieiras em Lukla. Desde 1996, fazemos pomares de macieiras na vila Choplung, a caminho do Everest, um projeto de dez anos, cujo propósito é ajudar as pessoas a terem renda, bem como parar com o desmatamento.

AM: Na questão ambiental, houve avanços na consciência preservacionista por parte dos montanhistas?
JT: Existe uma corrente muito boa formada por pessoas interessadas e preocupadas com o meio ambiente. Elas levam de volta o que trouxeram às montanhas.

AM: A senhora consegue ser mãe e dona de casa apesar de sua fama? Seus filhos também se interessam por escalada e montanhismo?
JT: Ainda é possível ser dona de casa. Minha filha não se interessava por atividades ao ar livre quando era pequena e acabou se interessando por esqui, o que ela ainda curte mesmo depois de casada. Meu filho uma vez se envolveu em competições de esqui downhill e gosta de atividades ao ar livre.

AM: A senhora já é vovó?
JT: Ainda não.

AM: A senhora ainda escala? Com que frequência?
JT: Uma vez por mês vou para as montanhas ou faço trekking em outros países. Quase semanalmente escalo montanhas japonesas. Tenho uma casa nas montanhas, perto de onde cresci.

AM: Qual o seu sentimento quando se aproxima de uma montanha para escalar?
JT: Preocupo-me se vou conseguir escalar ou não e, uma vez confiante para começar a subida, sinto-me inspirada. Tenho amigos escaladores, mas meus parceiros de escalada não são fixos. Eu mesma planejo e vou com duas a três ou cinco a seis pessoas. E não tenho patrocinadores.

AM: A senhora acha que um dia se aposentará?
JT: Quando sentir que estou ficando fisicamente fraca e posso causar problemas para outros companheiros, então deixarei de escalar.

AM: Como é um dia de rotina em sua vida? E seu treinamento?
JT: Fisicamente não faço nada de especial, mas ir para as montanhas toda a semana é uma forma de treinamento, enquanto também faço alongamentos e fico de cócoras. Além dos trabalhos domésticos, ensino montanhismo para pessoas de meia-idade e idosas. Também estou trabalhando como membro do conselho de uma universidade, de conselhos do governo e de algumas fundações. No momento, também estou aprendendo a tocar piano e faço aulas de canto.

AM: A condição feminina na sociedade japonesa mudou muito desde 1975, não?
JT: Sim, a situação melhorou e mais mulheres hoje são diretoras de escolas, prefeitas, governadoras e ministras, enquanto o governo tem trabalhado em iniciativas para diminuir a desigualdade sexual. Há também um número cada vez maior de casais em que ambos trabalham.

AM: Que mensagem a senhora deixaria às mulheres que ainda se sentem impossibilitadas de transformar seus sonhos em realidade?
JT: Se conversar com as pessoas ao redor e pedir que cooperem para que você consiga realizar seus sonhos e também cumprir suas responsabilidade de forma determinada, eles acabarão se concretizando, mesmo que demore um pouco.

AM: A senhora sabia que o Brasil tem a maior comunidade japonesa fora do Japão? O que a senhora gostaria de dizer a seus “compatriotas”?
JT: Li muito sobre as dificuldades e os sucessos dos imigrantes japoneses no Brasil e estou orgulhosa deles, assim como eles devem orgulhar-se deles mesmos. Eu gostaria de escalar o pico mais alto do Brasil como parte do meu desafio de chegar aos picos mais altos de cada país no mundo.

*No final de outubro de 2005 houve a comemoração em Kathmandu, com o encontro de Junko Tabei com outras 15 montanhistas que chegaram ao topo depois dela.

**Em 2005 ele ainda estava vivo; ele morreu em 2008 aos 88 anos de idade.


SOBRE A ENTREVISTA
Encontrar Junko Tabei em 2005 foi muito difícil. Depois de muita pesquisa na internet, encontrei um site todo em japonês do qual só entendi o e-mail. Escrevi para ele e, dias depois, recebi resposta de sua secretária. Depois das trocas de mensagens, sempre com intermediação da secretária, pois Junko não falava inglês, e do envio de algumas edições para que ela conhecesse a publicação, ela concordou em responder às perguntas e enviar algumas imagens dela (inclusive no topo do Everest) e uma mensagem escrita de próprio punho para ilustrarmos a entrevista.

Junko Tabei, a primeira mulher no topo do Monte Everest.

Mensagem em sua língua, que Junko Tabei escreveu e enviou para mim com as fotos: “Chegar ao topo do Himalaia foi resultado do acúmulo de um passo a passo. 16/05/1975. Montanha mais alta do mundo. Tabei Junko”.

As respostas chegaram por e-mail e, dias depois, recebi a mensagem e as fotos pelo correio – todas em papel, acompanhadas de uma cartinha dizendo que eu precisava devolvê-las depois, pois eram as únicas que Junko tinha (ela não tinha nem mesmo o filme para fazer outras cópias). Isso me surpreendeu demais! Como ela podia confiar tanto numa pessoa que nunca viu e que estava do outro lado do mundo? Digitalizamos todas em altíssima resolução o mais rapidamente possível e enviei-as de volta, com o coração na mão, agradecendo muito por ela ter sido tão generosa.

A entrevista foi publicada e enviei alguns exemplares a ela. Nunca mais nos falamos, mas guardo com muito carinho essas lembranças, a entrevista em papel e a mensagem que ela escreveu. Junko foi uma das 14 participantes na expedição feminina japonesa e, em 16 de maio de 1974, tornou-se a primeira mulher no topo do mundo. No texto acima, fiz algumas observações entre chaves em relação ao que mudou nesses quase sete anos desde a entrevista.

(Em 8/3/2012 essa entrevista foi republicada no Portal Extremos em homenagem a ela, a todas as outras que também abriram caminho na aventura e em outros campos dominados por homens para que pudéssemos trilhá-los com mais facilidade e a cada uma de nós que, quem sabe, talvez estejamos abrindo outros caminhos para gerações que virão.)


Atualização em 23/10/2016

Junko Tabei

A sorridente Junko Tabei em 2003 no Nepal, durante a comemoração dos 50 anos da chegada dos primeiros montanhistas, Sir Edmund Hillary e Sherpa Tenzing Norgay, ao topo do Everest – Foto: AP Photo/Binod Joshi.

Junko Tabei, nascida em 22/09/1935, faleceu no dia 20/10/2016 num hospital na cidade de Saitama, Japão, vítima de câncer no abdome, diagnosticado em 2012. Ela tinha 77 anos de idade.

Em junho/1992, tornou-se a primeira de novo, dessa vez a chegar ao topo dos sete picos mais altos do mundo. Em toda a sua vida, subiu as montanhas mais altas de 70 países.

Sua última grande aventura na montanha foi em julho/2011, quando subiu o Monte Fuji com estudantes japoneses do ensino médio afetados pelo terremoto e pelo tsunami que aconteceram naquele ano no Japão.

Amandina Morbeck

Outras entrevistas (clique no título para acessar):


Facebook Comments

Deixe seu comentário