Izabel Pimentel: a primeira velejadora brasileira que deu a volta ao mundo sozinha [Entrevista]

Publicado em por Amandina Morbeck em Entrevistas
Izabel Pimentel e sua gata Ellen - Foto: Arquivo pessoal.

Izabel Pimentel e sua gata Ellen – Foto: Arquivo pessoal.

Essa entrevista que fiz com Izabel Pimentel aconteceu em 2006. Na época eu trabalhava como repórter na revista Aventura&Ação e, mensalmente, entrevistava uma mulher com destaque no mundo da aventura (no presente ou no passado). Para reprodução aqui, atualizei as informações em janeiro/2016.

Izabel Pimentel, então com 40 anos de idade, cruzou o Oceano Atlântico numa aventura solitária a bordo de um pequeno veleiro de 6,5 metros de comprimento, o Arnaud 1. Ela partiu de Cascais, em Portugal, e chegou ao Brasil aportando em Fortaleza (CE) depois de 8.300 km e 42 dias – de 10/07 a 21/08/2006 -, tornando-se a primeira brasileira a realizar tal feito.

Logo após sua chegada, conversamos sobre sua aventura e sobre seus planos futuros.

Izabel Pimentel no pequeno veleiro Arnaud 1 - Foto: Reprodução/Marcos Rodrigues.

Izabel Pimentel no pequeno veleiro Arnaud 1 – Foto: Reprodução/Marcos Rodrigues.

Amandina Morbeck: Desde quando você veleja e como foi seu primeiro contato com o mar?
Izabel Pimentel: Velejo desde os 21 anos e comecei com windsurf na Barra da Tijuca. Nasci em Mato Grosso do Sul, mas morei no sul do Brasil, no Rio de Janeiro, depois em Paraty e há sete anos morava em Portugal. Voltei ao Brasil em fevereiro de 2006 para a preparação dessa travessia.

AM: Qual sua experiência no mar antes de você pensar na travessia do Atlântico?
IP: Fiz várias travessias de veleiro nas costas brasileira e portuguesa e no Mediterrâneo. Tenho grande experiência também com remo. Remei de Santos a Vitória, no litoral baiano, toda a costa portuguesa e 300 km na costa espanhola.

AM: Fale sobre o barco usado na travessia.
IP: É um veleiro de 21 pés (6,5 metros) de comprimento batizado de Arnaud 1. Em 1987, seu proprietário na época correu a Minitransat* com ele. Resolveu comprá-lo de volta agora, por 30 mil euros, e vai correr essa mesma regata este ano.

AM: Como foi o planejamento para essa aventura?
IP: Fizemos um estudo de correntes, de ventos e de rotas de navios. Fiz outras pequenas travessias e li sobre histórias de outras pessoas que viveram essa experiência.

AM: Comida e água. Quanto você levou?
IP: Em quilos não sei precisar, mas era suficiente para dois meses. Agora, água foram cem litros e acabei a travessia com apenas dez. Não desperdicei nem com banho.

AM: Você sentiu medo durante a viagem?
IP: Sim. tive uma experiência forte com um navio, no primeiro dia que saí de Lisboa, que quase me atropelou. A partir daí, tomei mais cuidado. No mais, já estou acostumada com ondas, com mau tempo, com essas dificuldades comuns para quem navega.

AM: Você passou por algum perrengue?
IP: A quebra do leme. Em nenhum momento pensei que isso pudesse acontecer. Faltou uma caixa de ferramentas melhor equipada. Fiquei 24 horas à deriva até conseguir improvisar um com fibra de vidro, mas que acabou quebrando depois. Daí, prendi uma peça do barco num cabo, o amarrei nas velas e passei a manobrá-la. A peça ajudava a segurar a direção que eu dava. Com isso, consegui chegar a Fortaleza e não a Fernando de Noronha, como era o plano original.

AM: Teve algum momento marcante?
IP: Sim, quando cruzei a linha do Equador.

AM: Algum plano ambicioso?
IP: Quero dar a volta ao mundo. Esse projeto que acabei de realizar – Atlantic Freedom – fez com que eu começasse a caminhar nessa longa estrada em direção ao meu sonho, que está cada vez mais próximo.

AM: Como é seu novo barco? Você conseguiu patrocínio?
IP: Ele também tem 21 pés, será utilizado na Minitransat, e feito de fibra trançada com epóxi e custa em torno de R$ 200 mil. Tenho patrocínio para essa nova temporada, que inclui cinco regatas internacionais, uma travessia de 1.000 milhas (1.600 km) da França à Irlanda (ida e volta) sem escalas, viagem, equipe de terra mais o barco. Tudo isso ficará acima de R$ 1 milhão.

AM: Quais são seus planos para o futuro?
IP: Minitransat 2007, além de várias regatas internacionais. A partir de abril começa a qualificação para o Minitransat. Quero fazer uma prova bonita, dar o melhor que posso para terminar bem. Há dez mulheres inscritas – nove francesas e eu, a única brasileira. Ao todo, são 75 inscritos e na classificação não há separação entre homens e mulheres. Preciso treinar muito porque esse pessoal aí está fazendo isso há muito tempo.

*A Minitransat foi rebatizada como Transat 6.50. É uma competição a vela transatlântica em solitário para pequenos veleiros de 6,5 metros de comprimento. Foi criada em 1977 e, por causa da fragilidade da pequena embarcação barco e também porque é feita em solitário, tem uma etapa nas Ilhas Canárias ou na Ilha Madeira, onde ficam vários dias antes de seguirem direção a Salvador, capital baiana. Até 1999 o ponto de chagada eram as Antilhas. Esta prova é considerado o apogeu da classe mini.


A velejadora Izabel Pimentel em plena atividade - Foto: Arquivo pessoal.

A velejadora Izabel em plena atividade – Foto: Arquivo pessoal.

Atualização:

    • Em 2007 Izabel não conseguiu participar da Minitransat. Fez então sua segunda travessia do Atlântico partindo de Sète, na França.
    • Em 2008 foi entrevistada pelo Jô Soares. Assista aqui.
    • Em 2008 lançou o livro A travessia de uma mulher.
    • Em 2008, foi a primeira brasileira a participar da Regata Oceânica Recife/Fernando de Noronha (Refeno) em solitário. Para essa aventura, levou seu Petit Eric.
    • Em janeiro de 2009 partiu de Paraty e chegou à França, realizando sua terceira travessia do Atlântico.
    • Também em 2009 consagrou-se como a primeira brasileira a participar de uma regata transoceânica, a Transat 6.50 em solitário.
    • Izabel soma quatro travessias do Atlântico num barco de 21 pés em solitário.
Mapa com o trajeto de volta ao mundo que Izabel Pimentel realizou.

Mapa com o trajeto de volta ao mundo que Izabel realizou.

  • Tornou-se a primeira brasileira – e a primeira latino-americana – a fazer, sozinha, a volta ao mundo num veleiro.
  • Em março de 2015 lançou o livro Águas vermelhas – a paixão que mudou uma vida.
  • Seu novo projeto é preparar o veleiro Don para chegar à Antártida.
  • Tem em seu currículo mais de 66.000 (122.230 km) milhas náuticas.
No barco Don, com o qual Izabel Pimentel deu a volta ao mundo - Foto: Reprodução/Marcos Lobo.

No barco Don, com o qual Izabel deu a volta ao mundo – Foto: Reprodução/Marcos Lobo.

Amandina Morbeck

banner - 30 dias de meditação numa selva na tailândia - e-book

Outras entrevistas:


Facebook Comments

2 Respostas para Izabel Pimentel: a primeira velejadora brasileira que deu a volta ao mundo sozinha [Entrevista]

  1. Armando Cassín

    hoy hablando con un amigo que vivió en PARATY, EN UN VELERO y que conoció personalmente a Izabel, es que quiero expresarle mi admiración. Increíble !! Brasil es mi segunda patria..amo Brasil, he ido muchas veces y tengo muchos amigos especialmente en sao Paulo….nuestro afecto para tí de norma y armando

    • Amandina Morbeck

      Hola, Armando. Gracias por tus palabras. Este website non és de Izabel pero lo que dije quedará acá para todos que leer el post. Donde vives tu?

Deixe seu comentário